A arrepiante oração escrita pela mulher que está no corredor da morte por ser católica

Asia Bibi © YouTube

Ela vive há 3.000 dias no inferno à espera do enforcamento – mas ainda tem forças e fé para rezar ao Cristo Ressuscitado

A católica paquistanesa Asia Bibi foi jogada na prisão em 14 de junho de 2009, sob a acusação, mundialmente questionada, de “ter blasfemado contra o islã”. Casada e mãe de 5 filhos, ela foi condenada, um ano depois, a nada menos que o enforcamento! Desde 2013, após duas transferências de presídio, Asia Bibi fenece em uma das três celas sem janelas do corredor da morte de Multan, no Punjab. Em 2017, passados mais de 3.000 dias e noites de angústia, solidão e terror inimagináveis, ela ainda aguarda o veredito final.

Do inferno em que é mantida presa à sombra do horror de não saber o dia nem a hora em que a sua vida pode ser extirpada de modo aberrantemente cruel e injusto, ela escreveu esta prece a Jesus Cristo:

Senhor Ressuscitado, permite que a tua filha Asia ressuscite contigo.

Rompe as minhas correntes, liberta o meu coração para além destas barras e acompanha a minha alma, para estar perto das pessoas que eu amo e sempre perto de ti.

Não me abandones no dia do tormento, não me prives da tua presença. Tu, que sofreste a tortura e a cruz, alivia o meu sofrimento. Sustenta-me perto de ti, Senhor Jesus.

No dia da tua ressurreição, Jesus, eu quero orar pelos meus inimigos, por aqueles que me feriram. Rezo por eles e te peço que os perdoes pelo mal que me fizeram.

Peço-te, Senhor, que retires todas as barreiras, para que eu alcance a bênção da liberdade. Peço-te proteção para mim e para a minha família.

Rezemos nós também por ela e demos-lhe apoio. Assim rezaremos e apoiaremos todos os cristãos perseguidos mundo afora, em meio aos seus sacrifícios inimagináveis para simplesmente serem fiéis Àquele em quem acreditam do fundo do coração.

Anúncios

Esta mãe de 23 anos está “morta”! Mas eles colocaram o bebé nos seus braços… Um milagre aconteceu…

Quando os médicos colocaram o recém-nascido nos braços da mãe “morta”, o inimaginável aconteceu…

A americana Shelly Cawley está grávida e mal pode esperar para segurar a sua bebé nos seus braços. Mas o momento que a jovem de 23 anos e o seu marido, Jeremy, tanto esperavam, acaba por se tornar o seu pior pesadelo. Assim que Shelly entra em trabalho de parto, os médicos precisam realizar uma cesariana de emergência.

A pequena Rylan chega ao mundo completamente saudável. Porém, durante a cirurgia, um coágulo de sangue se desprende, bloqueando importantes artérias da sua mãe. Shelly entra em coma. “Os médicos tinham feito tudo o que podiam. Neste momento, eles estavam absolutamente certos de que Shelly não resistiria“, lembra Jeremy. “Ficas tão feliz quando o teu filho nasce… e, no momento seguinte, achas que vais ter que dizer adeus à tua esposa para sempre. Era como se eu estivesse anestesiado.“

Mas a enfermeira Ashley Manus tem, de repente, uma ideia genial: “Nós sabemos que, para um recém-nascido, o contato com a pele da mãe pode ser muito útil – então por que isso não funcionaria ao contrário?” Em seguida, os médicos pegam a na bebé e a colocam junto à mãe em coma. “Eu tinha esperanças de que Shelly ainda estivesse entre nós e que, ao sentir a filha e o seu coração, ela fosse despertada pelos instintos maternos“, explica a enfermeira. Mas assim que a bebé Rylan toca a sua mãe, ela continua a dormir pacificamente. “Nós fizémos cócegas nela e até demos alguns pequenos beliscões“, conta o pai Jeremy. “Estas tentativas duraram 10 minutos, até que ela deu um grito alto.”

Loading…

E o inacreditável acontece: “Vimos o monitor cardíaco mostrar um sinal de vida. Os gritos tinham trazido Shelly de volta. Minha esposa voltou para nós!“, lembra Jeremy com lágrimas nos olhos. Em seguida, a condição de Shelly ficou estável. Depois de uma semana, a jovem acordou completamente do coma e pode, finalmente, pegar sua bebé nos braços. “Olhei para o rosto de Rylan e pensei que ela era a bebé mais linda do mundo”, diz Shelly. “Eu sei que todas as mães dizem isso, mas nós duas passamos a ter uma conexão especial depois de tudo o que aconteceu.“

A pequena e fofa loirinha acaba de celebrar o seu 1º aniversário. “No ano passado eu lutei pela minha vida e este ano tenho uma filha maravilhosa com 1 ano de idade“, conta Shelley. “Quando ela crescer, eu vou-lhe dizer que ela salvou minha vida.“

Shelly e Jeremy Cawley não poderiam estar mais felizes com o pequeno milagre que salvou a vida desta jovem mãe. Que lindo final feliz! Se a história desta família também te emocionou, partilha.

Portugal – Crime de Alta Traição em preparação

Estou de acordo que acolhamos os verdadeiros refugiados, mas cuidadosamente, pois sabemos que entram por esse estatuto islâmicos terroristas. Vi uma estatística que mostrava como, nomeadamente os que vêm cometendo atentados nos vários países europeus, recebiam subsídios de inserção social, enquanto outros pregam nas mesquitas o ódio aos que chamam infiéis (sobretudo cristãos e judeus – como mandava Maomé no seu tempo), com ameaças de morte ao “ocidente” por ser cristão, dizem… Mais, já vimos pela TV e jornais manifestações nas praças europeias (como Londres, etc) com slogan´s e cartazes a dizerem isso. E, em nome da liberdade e da democracia, passam à vontade! Mas que dormitório se tornou esta Europa descristianizada…! É que essa gente não entende a democracia, nem a querem, mas aproveitam-se dela…
Parece estar a realizar-se a “profecia islâmica” de Kadafi: “A Europa foi islâmica e vai ser nossa  outra vez. Não vai ser com armas, mas com os filhos de nossas mulheres”…
Isto vem a propósito da notícia que recebi e reenvio, por me parecer oportuna.
A resposta a dar aos que querem construir Mesquitas em Portugal deveria ser como já alguns países o fizeram: “Deixamos construir as vossas mesquitas se nos vossos países deixarem construir as Igrejas cristãs”!
Claro que os nossos ateus e afins nos corredores do poder terão todo o interesse, para tentar minar sobretudo a Igreja Católica, facilitar ao máximo outras religiões e seitas, nomeadamente o islamismo, a pretexto de um diálogo inter-religioso – que em si é coisa boa, desde que seja em base de seriedade e de verdade…
O assunto é coisa séria de mais e não há margem para ingenuidade e distracções…Ver vamos.

Nota do Pastor

Como a notícia já consta em todo o lado, passo a tornar pública esta Nota que, assim, faço conhecida e acessível a todos os membros da nossa Igreja de Viseu.
Amo muito a Igreja de Jesus Cristo. Nela nasci, nela estou integrado e dela sou parte. Sirvo-a, em Viseu. Daqui, de Viseu, estou em comunhão com o Papa Francisco e, nele, com todos os Bispos e com todos os Cristãos, meus irmãos e, ao mesmo tempo, estou corresponsável com a missão universal da Igreja – o anúncio de Jesus a todas as pessoas e em todas as situações.
Neste momento, ainda que, sem o merecer, sem ser digno e sem grandes qualidades e merecimentos humanos, intelectuais e espirituais que me ‘apresentassem’, sirvo esta Igreja, como Bispo, desde há 11 anos.
Devo tantas graças a Deus e aos meus irmãos: no Episcopado – lembro todos os membros da Conferência Episcopal – e no presbitério desta mesma Igreja de Viseu! Estes – uns e outros – ajudaram-me nas minhas dificuldades e foram, sempre, muito compreensivos nas minhas falhas… Devo tanto, também, a todas e a todos: família, religiosos e outros consagrados, diáconos e leigos desta Diocese… A todos procurei servir como pude; a todos peço compreensão pelo que não fui capaz de ser e de fazer… Por todos rezo e ofereço a minha vida…
Enquanto Deus o quiser, vou continuar a servir e a amar, dedicando as minhas capacidades e forças, a esta mesma Igreja e, nela, a todos os meus amados irmãos.
Ser Bispo, numa Diocese, é grande missão e grande responsabilidade. Precisa-se sabedoria, saúde, prudência e capacidade para gerir toda a vida, em comunhão e em corresponsabilidade com os Sacerdotes, com os Religiosos, com os Diáconos e com os Leigos, propondo, a todos, a participação em que cada um se sinta bem, como cristão e como membro da Igreja e sinta ser mais-valia, dando contributo válido a todos.
Sinto que, desde há 7 anos – mas, sobretudo, desde há 3 anos – não estou capaz de dar o contributo que o Bispo deve dar… Porque sou um de entre todos vós – sou padre da diocese de Viseu – tenho mais dificuldades em “esconder” todos os meus problemas que dificultam o serviço – alegre, agradecido e capaz – que vós me pedis e com o qual tendes todo o direito de contar.
Assim, pedi há 3 anos e renovei há alguns meses que o Santo Padre, o Papa Francisco, me dispensasse do serviço de Bispo diocesano. Há poucos dias, o Santo Padre aceitou e mandou iniciar o Processo para a minha substituição.
Agradeço muito ao Santo Padre Francisco, por Quem rezo e vivo em comunhão. Agradeço muito a todos os Padres, Religiosos, Diáconos e Leigos, da Diocese de Viseu. Agradeço muito à minha Família e a todas as pessoas que, porventura, estejam surpreendidas ou, até mesmo, não concordantes com esta decisão.
Quero afirmar que, do nosso próximo Bispo desta nossa Diocese de Viseu, serei um irmão e amigo, obediente e seguidor. Para a maior glória de Deus e para bem da Igreja! AMEN!
VISEU, 25 de Setembro de 2017
Bispo Ilídio Pinto Leandro

Autêntica vergonha que se passa em Portugal! Desta vez…

Senti-me obrigado a publicar esta autêntica vergonha que se passa em Portugal! Mas então porque raio as pessoas votam? Porque raio nós pagamos impostos?

O texto que se segue é o testemunho de uma pessoa sobre um acontecimento triste e revoltante. Toda a informação presente neste artigo foi retirada directamente e totalmente da fonte que se encontra no final do artigo.

Reprodução da imagem presente na fonte do artigo.

Não sucedeu comigo.

Mas senti-me na mesma obrigado a publicar esta autêntica vergonha que se passa em Portugal.

Mas então porque raio as pessoas votam? Porque raio nós pagamos impostos?

“Tenho um sono muito leve, e numa noite destas notei que estava alguém a andar sorrateiramente no quintal de casa.

Levantei-me em silêncio e fui acompanhando os leves ruídos que vinham lá de fora, até ver uma silhueta a passar pela janela do quarto.

Como a minha casa até é muito segura, com alarme, grades nas janelas e nas portas, não fiquei preocupado, mas claro que eu não ia deixar um ladrão andar ali tranquilamente.

Telefonei para a polícia, a informar sobre a ocorrência e dei a minha morada. Perguntaram-me se o ladrão estava armado ou se já estava no interior da casa. Esclareci que não. Então disseram-me que não tinham nenhuma viatura por perto para ajudar, mas que iriam mandar alguém logo que fosse possível…

Um minuto depois liguei de novo e disse com a voz calma:

– Eu liguei há pouco porque estava alguém no meu quintal. É para informar que já não é preciso muita pressa, porque eu já matei o ladrão com um tiro de uma pistola calibre 9 mm, que tinha guardada cá em casa, já há anos para estas situações. O tiro fez um belo buraco no pobre diabo!

Passados menos de três minutos, estavam na minha rua cinco carros da polícia, um carro do INEM, uma unidade de resgate, duas equipas da TVI, uma da SIC e um representante duma entidade de direitos humanos.

Acabaram por prender o ladrão em flagrante, que ficou boquiaberto a olhar tudo o que se estava a passar, com cara de parvo. Talvez ele estivesse a pensar que aquela era a casa do Comandante Geral da PSP.

No meio do tumulto, o polícia encarregue desta operação, aproximou-se de mim e disse-me:

-Pensei que tivesse dito que tinha morto o ladrão !!!

Eu respondi:

– Pensei que tivesse dito que não havia nenhuma viatura disponível!”.

Morreu D. Manuel Martins, bispo emérito de Setúbal

Fez de Setúbal a sua nova casa e prometeu anunciar o “Evangelho da Justiça e da Paz”. Nos 23 anos que esteve à frente da Diocese de Setúbal, denunciou o trabalho infantil, os salários em atraso, o desemprego e a vida nas barracas. Morreu aos 90 anos.

D. Manuel Martins, o bispo dos marginalizados

D. Manuel Martins faleceu este domingo, na Maia, às 14h05, “após receber a Santa Unção” e acompanhado pelos seus familiares, informou em comunicado a diocese de Setúbal.

No momento da sua ordenação episcopal, assumiu por inteiro a diocese: “Nasci Bispo em Setúbal, agora sou de Setúbal. Aqui anunciarei o Evangelho da justiça e da paz.”

Ao longo da sua vida, teve uma presença muito activa na área social e preocupou-se com os mais carentes e marginalizados. Durante a crise dos anos 80, D. Manuel Martins teve uma intervenção directa contra as situações de desemprego, salários em atraso, trabalho infantil e as más condições de habitação, nomeadamente o flagelo das barracas em Setúbal. Devido às denúncias que fez sobre as situações de pobreza e de fome na região de Setúbal, chegou a ser conhecido como o “bispo vermelho”.

O bispo emérito de Setúbal nasceu a 20 de Janeiro de 1927, em Leça do Balio, concelho de Matosinhos. Foi ordenado sacerdote em 1951, após a formação nos seminários do Porto, seguindo-se a frequência do curso de Direito Canónico na Universidade Gregoriana, em Roma. Em 1975 é nomeado bispo da nova Diocese de Setúbal, de onde só saiu 23 anos depois, em 1998.

“Quando cheguei a Setúbal, levava uma recomendação muito importante do bispo de Porto, António Ferreira Gomes, que me disse para tentar não aparecer como colonizador, para procurar mergulhar em Setúbal, ser de Setúbal, ser Setúbal. E, felizmente, isso aconteceu-me”, recordou Manuel Martins, enquanto partilhou, com a Lusa, em 2016, algumas histórias desses tempos conturbados.

Nessa conversa com a Lusa, recordou um episódio de troca de palavras com o então primeiro-ministro, Mário Soares.

“O Governo de Mário Soares dizia publicamente que em Setúbal não havia fome, que o bispo de Setúbal é que fazia fome. A comunicação social não me largava e um dia eu respondi dizendo que ‘se a fome era Nafarros e Belém, podíamos dar graças a Deus porque em Portugal não havia fome'”, lembrou.

Existia mesmo “fome em Setúbal”, assegurou o ‘bispo vermelho’, que é considerado um dos principais responsáveis pela acção que a Igreja Católica continua a ter na região de Setúbal, designadamente no apoio social aos mais pobres e excluídos.

D. Manuel Martins em entrevista à Renascença em 2011: “Temos um défice de católicos a agir como políticos”

D. Manuel Martins foi presidente da Comissão Episcopal da Acção Social e Caritativa e da Comissão Episcopal das Migrações e Turismo, presidente da Secção Portuguesa da Pax Christi e da Fundação SPES.

Ao longo da vida foi várias vezes distinguido pela sua acção, sendo caracterizado como uma personalidade aberta e frontal. Em Setúbal, várias autarquias designaram-no cidadão honorário, tendo sido condecorado por diversas vezes com a medalha de mérito. O seu nome foi atribuído polo de Setúbal da Universidade Moderna e à antiga Escola Secundária n.º 1, localizada na Estrada do Alentejo.

O bispo emérito foi ainda agraciado com a grã-cruz da Ordem de Cristo, durante as comemorações do 10 de Junho de 2007, em Setúbal, e com o galardão dos Direitos Humanos da Assembleia da República, a 10 de Dezembro de 2008.

Em Março deste ano, o Presidente da República Portuguesa saudou o percurso de vida de D. Manuel Martins, que completou 90 anos a 20 de Janeiro.

“Nascido em Matosinhos, no norte de Portugal, D. Manuel Martins sempre manteve a fidelidade aos princípios e valores distintivos daquela região do país: o sentido de serviço aos outros, a dedicação ao trabalho e a preocupação permanente com a justiça social”, escreveu Marcelo Rebelo de Sousa, num texto divulgado pela Presidência da República.

O Chefe de Estado sustentou que o antigo bispo de Setúbal coube projectar “os valores universais do humanismo cristão muito para lá dos limites da sua diocese”.

“Seria na Diocese de Setúbal que, entre 1975 e 1998, a lealdade a esses valores mais se fez sentir, tornando D. Manuel Martins uma personalidade por todos admirada quer pelo vigor e desassombro da sua palavra, quer pela energia da sua ação, quer pela sua rigorosa independência face aos poderes instituídos”, assinala o Presidente português.

Papa Francisco aceita resignação de bispo de Viseu por motivos de saúde

D. Ilídio Leandro disse ao Papa que gostaria de continuar a servir a diocese, na qualidade de pároco, enquanto puder.

D. Ilídio Leandro renuncia ao cargo invocando motivos de saúde. Foto: DR

O Papa Francisco aceitou esta quarta-feira a resignação do bispo de Viseu, por motivos de saúde.

Após ter sido sido submetido a uma cirurgia à tiróide no final do mês de Julho D. Ilídio Leandro renovou o pedido de resignação que já tinha feito anteriormente.

Em declarações exclusivas à Renascença, D. Ilídio explica que o seu estado de saúde começou a agravar-se há sete anos quando sofreu um AVC, “que foi sendo progressivo nas consequências”.

“Dado o meu estado de saúde pedi a resignação há três anos. Não foi aceite na altura, mas agora renovei, porque sobretudo a nível de memória e de capacidades que são necessárias para conduzir a diocese, sinto-me com grandes dificuldades para levar a cabo a minha missão.”

O bispo espera vir a ser substituído até Junho de 2018, o mais tardar, mas gostaria que fosse mais cedo. “Por isso pedi a resignação, que agora foi aceite, e estou à espera que o processo da minha substituição vá até ao fim para, brevemente, assim espero, seja indicado o meu sucessor. É possível que seja até ao fim do ano pastoral, isto é, em Junho, O meu desejo é que fosse até ao final do ano civil, porque sinto que a diocese ganharia com a minha substituição mais breve.”

O pedido de resignação foi aceite mas o Bispo de Viseu garante que vai continuar a estar ligado de forma profunda a diocese. “Enquanto Deus quiser continuo, e continuo para ser uma ajuda. Por isso ao Papa disse que gostaria de continuar como pároco, deixando de ser o bispo da diocese. Quero continuar a servir a Igreja e a sociedade enquanto puder”.

Apesar de o bispo de Viseu garantir que já recebeu o consentimento de Roma, esta quarta-feira o boletim diário da Santa Sé não inclui qualquer referência à sua resignação.

D. Ilídio Leandro tem 66 anos e foi ordenado Bispo a 23 de Julho de 2006, dia em que tomou posse da Diocese de Viseu. A idade normal para resignação de um bispo é 75 anos, mas abrem-se excepções por motivos de saúde ou outros.